Políticas Afirmativas Spcine

Lançado em setembro de 2019, o Plano de Políticas Afirmativas da Spcine estabelece metas para ampliar a participação de mulheres cis, pessoas transgênero e pessoas negras no setor audiovisual de forma ampla. Todos os editais da Spcine lançados a partir de 2019 incorporam mecanismos de inclusão. O edital de Baixo Orçamento, cujo resultado foi divulgado em fevereiro de 2020, foi o primeiro a contemplar a política.

 

As metas são monitoradas por meio de dois indicadores: número de projetos inscritos e número de projetos contemplados, com base em pontuação indutora conforme abaixo: 

Image

Pontuação indutora para equipe responsável pela obra inscrita no edital que tenham mulheres ou pessoas transgênero nos cargos de direção, roteiro, direção de fotografia e coordenação de pós-produção; 

Pontuação indutora para empresa com quadro societário majoritário composto por pelo menos 01 pessoa negra.


A política não se destina apenas a editais, uma vez que todas as ações da Spcine têm olhar de diversidade. Fazem parte deste escopo ações e programas de formação com impacto direto na inserção de mulheres e pessoas negras no setor. Um exemplo disto foi a concessão de bolsas de estudo, em novembro de 2019, para duas cineastas negras participarem de curso sobre o mercado  audiovisual na Latin American Training Center (LATC), em Los Angeles. 

Há ainda ações de empreendedorismo para pequenas empresas e coletivos audiovisuais com foco no desenvolvimento de empreendimentos negros; articulações para a participação de mulheres e pessoas negras em mostras, festivais e mercados patrocinados pela Spcine; inserção nos projetos e eventos patrocinados pela Spcine de  jovens oriundos dos programas de formação audiovisual com recorte socioeconômico ou com bolsa em instituições de ensino, entre outros; além de indução para patrocínios de projetos e eventos que tenham políticas e ações contundentes de gênero, raça e território, privilegiando a descentralização territorial e o fomento a ações periféricas.

Apresentamos abaixo alguns resultados das políticas afirmativas até o momento. Para efeito de comparação, iniciamos com dados de contemplados em nossos editais, com recorte de gênero, antes da publicação do plano de políticas afirmativas:

 


 

Edital de produção 2015 - Linha 1

Edital de distribuição 2015 - Linha 2

14 contemplados

4 diretoras

4 codireções entre homens e mulheres

22 contemplados

7 diretoras

Edital de produção 2015 - linha 3

Edital de distribuição 2015 - linha 4

06 contemplados

0 diretoras contempladas

02 contemplados

0 diretoras

Edital de produção 2016 - linha 1

Edital de distribuição 2016 - linha 2

14 contemplados

04 diretoras

10 contemplados

04 diretoras

01 codireção com 1 homem e 1 mulher

Edital de distribuição 2016- linha 3

17 contemplados

02 diretoras

03 codireções homem e mulher

GAP 1 e 2 2017

13

 contemplados

03 diretoras

GAP 3 2018

10 contemplados

05 roteiristas mulheres

distribuição 2019

12 contemplados

05 diretoras

 

 

Image
Image

POLÍTICAS AFIRMATIVAS NA ÁREA DE FORMAÇÃO:

Os contemplados e suplentes em editais da Spcine, que tenham pontuação por política afirmativa, estão aptos a participar de ações de capacitação e networking oferecidas pela empresa. 

O principal objetivo destas atividades com contemplados e suplentes é o de alavancar os projetos e possibilitar networking entre as pessoas envolvidas. Além disso, esta iniciativa auxilia na capacitação e na entrada de mais projetos de realizadores negros, mulheres e pessoas transgênero no mercado em geral.

Atualmente, a Spcine conta com três linhas de atividades de Formação: 

  1. Parceria com o Projeto Paradiso por meio do “Paradiso Multiplica” com mentorias, workshops e masterclasses; 
  2. contrapartidas dos eventos (masterclasses, workshops, rodadas de negócio);
  3. e contratações próprias. 

 

Algumas dessas atividades são exclusivas para estes grupos de contemplados de editais, porém outras são abertas para o público geral, sempre com o reforço, por meio dos parceiros, sobre a necessidade de mais profissionais negros, transgêneros e mulheres participando destas ações. 

Além da formação ligada aos editais, a Spcine conta com outras ações ligadas à diversidade:

-  Grupo de Trabalho com escolas livres e projetos/ instituições de audiovisual que atuem com jovens em situação de vulnerabilidade econômica e social para aumentar a inserção deste grupo de pessoas do mercado por meio de capacitação. Um exemplo disso, foram as 140 bolsas do b_arco para ex alunos de outros projetos Spcine e instituições como Criar, Querô, etc oferecidas ao longo do segundo semestre de 2020.  

- Projeto Curta em Casa em parceria com o Instituto Criar e o Instituto Olga Rabinovich, que concedeu 200 bolsas de R$ 3 mil cada para jovens das periferias da cidade de São Paulo produzirem curtas-metragens que refletissem este momento de pandemia sem sair de casa. 

Foto: José Cordeiro/SPTURIS Foto: José Cordeiro/SPTURIS
Image

Políticas Afirmativas – Spcine Play

 

Teste de Bechdel: 

A plataforma de streaming Spcine Play aplica em seu catálogo o Teste de Bechdel, que confere um selo a obras de ficção que atendem a critérios relacionados à representatividade feminina em suas narrativas. 

Criada em 1980 pela quadrinista norte-americana Alison Bechdel, a avaliação exige basicamente três itens: a trama deve contar com no mínimo duas personagens femininas com nomes, em ao menos uma cena as mulheres devem dialogar e esta conversa não pode ser sobre um homem. Atualmente, 45 dos 147 filmes de ficção analisados no catálogo da Spcine Play passaram no teste.