Nova fase da plataforma Spcine Play estreia com mais de 50 títulos

Raul PerezDestaqueLeave a Comment

A Spcine acaba de lançar a nova fase da plataforma de vídeo sob demanda Spcine Play. A proposta é transformá-la em um espaço dedicado à cinefilia, à memória e fruição de espetáculos em equipamentos culturais da cidade de São Paulo. O conteúdo fica disponível no site www.spcineplay.com.br.

“O mercado de VOD é uma realidade no país e substitui, com muitas vantagens, as locadoras. Algumas plataformas muito grandes oferecem um tipo de produção bastante similar entre elas. Decidimos criar uma alternativa oferecendo um cardápio de conteúdos que não se encontram nestas plataformas com mais projeção”, explica o Secretário Municipal de Cultura, André Sturm.

“Ela é uma política pública de incentivo à circulação audiovisual, do cinema e de outras linguagens. E o melhor: torna a produção brasileira, sobretudo as mais históricas, mais próxima e mais acessível ao público”, define Mauricio Andrade Ramos, diretor-presidente da Spcine.

Para a nova fase, a Spcine Play firmou parceria com o serviço brasileiro de streaming Looke, que passa a oferecer toda a infraestrutura tecnológica da plataforma. Com o acordo, além de uma página exclusiva no site www.looke.com.br/spcineplay, a Spcine Play amplia o acesso para dispositivos como apps de celular e smart TVs.

“Com foco no cinema nacional, a parceria do Looke com a Spcine é essencial veículo de fomento e acesso à cultura brasileira, proporcionando aos usuários a melhor experiência no mercado de streaming que tanto cresce”, afirma Luiz Bannitz, Diretor de Conteúdo e Novos Negócios do Looke.

A inauguração deve contar com 59 títulos, incluindo filmes, entrevistas, shows e uma peça de teatro. Ao todo, cerca de 140 obras devem chegar à plataforma nesta primeira etapa. As atualizações serão semanais. “Tem filme inédito, de difícil acesso, tem filme de pesquisa, de catálogo, do Brasil, de outros países, dos principais festivais de São Paulo. Vamos trabalhar também com uma variedade de gêneros, formatos e conteúdos originais”, conta Alessandra Dorgan, gerente da Spcine Play.

Entre os destaques estão obras seminais da cinematografia brasileira como “A Hora da Estrela”, da cineasta Suzana Amaral, “Iracema, uma Transa Amazônica”, de Jorge Bodanzky, “O Homem que Virou Suco”, de João Batista de Andrade, e “A Dama do Cine Shanghai”, de Guilherme de Almeida Prado. Os cineastas citados terão outros títulos de sua filmografia disponíveis na plataforma.

Outro ponto alto é a oferta de filmes de mostras e festivais como Anima Mundi, comKids, In-Edit e Festival Internacional de Curtas-Metragens. O primeiro evento convidado é a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que vai disponibilizar dez longas da programação oficial deste ano na Spcine Play.

Os títulos ficam disponíveis a partir de 18 de outubro, simultaneamente ao período da Mostra. Na sequência, mais 14 filmes de edições anteriores do evento integram o catálogo da plataforma. Os premiados “A Gangue”, “Almas Silenciosas” e “Cães Errantes” são alguns deles.

Entram também na lista videoclipes do Music Video Festival, como os de Jhonny Hooker, Rincon Sapiência e Tim Bernardes, além de números musicais da coleção Notas Contemporâneas, do Museu da Imagem e do Som (MIS). São shows de mestres da MPB como Moraes Moreira, Marina Lima, João Donato, Ivan Lins, Ney Matogrosso, Lenine, Baby do Brasil e João Bosco.

A série de novidades inclui ainda a produção de conteúdo original, incluindo espetáculos, shows e eventos culturais que acontecem em São Paulo. Para o lançamento da plataforma, estarão disponíveis dois vídeos: um show exclusivo da banda goiana Boogarins e o espetáculo sensorial Vitória Régia.

“São Paulo é uma cidade cheia de atividades culturais, que milhares de pessoas não têm acesso porque não tem tempo, moram longe ou não conseguem ingressos. Teremos filmes que não estão em outras plataformas e também conteúdos a partir da programação cultural da cidade como apresentações musicais, concertos, dança e muitas outras, realizadas ao vivo, transformadas em conteúdo audiovisual. O papel da SMC é ampliar o acesso do público à cultura”, completa o Secretário André Sturm.

Os conteúdos das mostras e festivais serão gratuitos, como contrapartida ao patrocínio da Spcine aos mesmos. A exceção são os filmes da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo que entraram em cartaz em edições anteriores. Neste caso, o acesso será pago, assim como os demais filmes de catálogo. O valor da locação é de R$ 3,99.

Compartilhe

Deixe uma resposta