Circuito Spcine

O Circuito Spcine é a rede de salas de cinema da Prefeitura de São Paulo. São 20 espaços presentes, sobretudo, em bairros não atendidos pelas salas comercias.

Com equipamentos de ponta para garantir qualidade de som e imagem, o Circuito Spcine apresenta semanalmente uma programação repleta de filmes nacionais e internacionais.

O intuito do projeto é democratizar o acesso ao cinema e garantir mais telas para o cinema nacional.

Confira a grade de estreias no Circuito na página circuitospcine.com.br.

Inaugurado em 30 de março, o Circuito Spcine é a maior rede de salas públicas de cinema do Brasil e uma das mais importantes da América Latina.

Seu complexo exibidor é formado por 20 espaços – cinco em equipamentos culturais de São Paulo e 15 em Centros Educacionais Unificados (CEUs) -, e tem o objetivo de democratizar o acesso da população ao entretenimento audiovisual, expandindo a barreira geográfica do centro expandido em direção a todas as regiões da capital paulista.

Geograficamente, as salas estão presentes em 17 das 32 subprefeituras, com prioridade para as não atendidas pelo circuito comercial de cinema.

O projeto oferece uma experiência total do cinema, com projetores digitais de alta tecnologia e programação regular e de qualidade. Há espaço para filmes de todos os gêneros e formatos, do infantil ao terror, do autoral ao blockbuster. A periodicidade das sessões vai de três a seis vezes por semana.

A criação do Circuito surgiu de um quadro de exclusão socioeconômica, tendo a distância e o preço do ingresso como fatores mais relevantes. Pesquisas como a da empresa J.Leiva serviram como base de comparação. De acordo com um estudo de 2014, 10% da população paulistana nunca foi ao cinema. Ao considerar a renda, o percentual sobe para 30% nas classes D e E. O lado positivo do projeto é que o público tem o cinema perto de casa e de graça. Nos centros culturais, o bilhete tem um preço popular, que vai até R$ 8.

A Spcine também considerou o Índice de Habitantes por Cinema (IHC) no Brasil, levantado pela Ancine (Agência Nacional do Cinema). Em 2013, o IHC girou em torno de 75 mil habitantes por sala, número ainda distante de outros países, como a Argentina, que registrou em 2012 um IHC de 51 mil habitantes por sala; México, com aproximadamente 21 mil habitantes/sala; e a França, com cerca de 11 mil habitantes/sala.

A programação conta com aproximadamente 200 sessões semanais.

As salas que integram o projeto nos CEUs são Circuito Spcine Butantã, Circuito Spcine Meninos, Circuito Spcine Jaçanã, Circuito Spcine Quinta do Sol, Circuito Spcine São Rafael, Circuito Spcine Aricanduva, Circuito Spcine Três Lagos, Circuito Spcine Caminho do Mar, Circuito Spcine Feitiço da Vila, Circuito Spcine Jambeiro, Circuito Spcine Parque Veredas, Circuito Spcine Perus, Circuito Spcine Vila Atlântica, Circuito Spcine Paz e Circuito Spcine Vila do Sol. Já nos centros culturais são Circuito Spcine Cine Olido – localizada na Galeria Olido – Circuito Spcine Paulo Emílio e Circuito Spcine Lima Barreto – ambas no Centro Cultural São Paulo (CCSP) -, Circuito Spcine Roberto Santos – na Biblioteca Pública Roberto Santos – e Circuito Spcine Tiradentes – no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes.

TECNOLOGIA

Nenhuma sala do Circuito fica devendo para os complexos comerciais. Todas possuem o projetor digital Christie 2D/2K, com capacidade de fluxo luminoso de 10 mil lumens, sistema de som Dolby 5.1 e telas profissionais para cinema.